15.5.08

À Biblioteca Municipal de Silves


(Foto de Elisabete Rodrigues, Jornal Barlavento)


O Sol abençoa a tarde, nesta cidade ao sul e os arautos caminham a passos lentos, calculados e treinados pelas ruas da cidade. O povo olha-os com a estranheza de quem não está à espera de um espectáculos tão pouco vulgar. Entre os comentários de agrado e indiferenças o grupo continua a anunciar:

- Eis a obra acabada, qual pássaro ansioso por experimentar o seu primeiro voo.
- Daqui do alto, saúdo todos os poetas, todos os que sonham poder voar e declaro aberta a porta das espreitadelas do conhecimento.


Os convidados dobram a porta e iniciam as suas espreitadelas. A sala ficou cheia de gente e os discursos ouvem-se e soam a um sonho concretizado.


Bem hajam, todas as mãos que corporizaram um desejo antigo e sempre renovado da humanidade. Esta nova biblioteca, representa um novo tempo, o da cultura da oportunidade, da democracia. Democracia no acesso a meios e a recursos concentrados num espaço colectivo, livre, aberto ao tempo e no tempo em que vivemos.

(Foto de Paulo Izidoro)

Uma biblioteca é uma das mais belas formas de experimentar a democracia. Tanta ideia, tanta ciência, tanta diferença, tanta escrita, tanta arte num só espaço intemporal. Para quê? Para quem? Para o viajante deste século conversar com o passado da humanidade, consigo próprio, com o outro, debater e flexionar-se em pensamentos reais e absurdos, incorporando o que lhe traz sossego à alma.



A biblioteca é um espaço para além do espaço, é a porta sempre aberta, à espera daquele que quer espreitar, sem julgamento, ou imposição. A biblioteca é a casa onde moram todos os homens deste mundo é o sítio onde mais se sente o contraditório das verdades.



A biblioteca é uma dádiva de homens para outros homens. Que todos saibamos recebê-la, apreciá-la e desfrutá-la.

Madalena Santos
A professora coordenadora da biblioteca escolar do 1º ciclo

1 comentário:

Rafael disse...

Finalmente Silves tem uma nova biblioteca. Espero que todos os silvenses se apercebam do grande património de que são herdeiros, assim como o restante Algarve. Espero, da próxima vez que for a Silves, não ver a biblioteca completamente grafitada como já vi uma placa alusiva a Al-Mutamid aí em Silves

Alguém ensine aos jovens algarvios o que representa ser algarvio e qual a história do Algarve... Talvez assim deixemos de ver estações da C.P. e outros espaços públicos vandalizados. (Só vi estações da C.P. totalmente grafitadas no Algarve !!!).

Fico feliz de a biblioteca ter recebido o nome de uma dos melhores vultos silvenses ligadas à cultura: José Domingos Garcia Domingues.