6.2.09

Do SILÊNCIO

VAN GOGH, Noite Estrelada


«Chiuuu…
Eu … sou o Silêncio!
E talvez vocês não gostem muito de mim…
Com certeza, acham-me aborrecido! Devem até achar
que nunca vale a pena fazer silêncio.

Pois digo-vos que estão errados. Com o Silêncio
(comigo!), conseguimos ouvir o que é muito difícil de escutar quando há barulho e ruído à nossa volta. Mas quando eu existo, tudo parece mais calmo, talvez até passemos a ter menos problemas e consigamos pensar melhor.
Eu sou como uma bola gigante, que vos levo, levo, levo e continuo a levar… Até que a certa altura vocês já gostam de fazer silêncio e o que antes era uma obrigação passa a ser um enorme prazer!
Fazer silêncio pode ser delicioso… Experimenta-me e verás!

Jéssica Morais
8ºD nº11




Este pequeno texto foi escrito após a leitura, em aula, do conto «O Silêncio», de Sophia de Mello Breyner, inserido no livro Histórias da Terra e do Mar. É um livro muito apetitoso, recheado de histórias simples e bonitas. Faz parte do Plano Nacional de Leitura e existe na nossa biblioteca! Não o deixes sozinho nas prateleiras e mergulha no azul que nasce das suas páginas…

1 comentário:

Daniel disse...

Sempre presente nos momentos em que mais precisamos.
Rápidas melhoras que estás a fazer falta.

Daniel